Contact Us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right. 

           

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

p16e

[back to press]

Um tiraço no porta-aviões

Recordo muitas vezes uma usual sugestão do meu avô paterno, argumentando que tudo o que era feito na Alemanha era bom. E isso aplica-se não só a automóveis e maquinaria pesada, mas também às artes, nomeadamente a musical. Foi nesse embalo que me desloquei no passado domingo ao Celeiro do Mosteiro de Alcobaça, para assistir a um concerto do Cistermúsica 2016 em que a aposta era bastante alta, não só pela expetativa criada em torno da estreia em Portugal do Henschel Quartett, mas também pelo programa anunciado, que, incluindo dois quartetos de cordas dos geniais Beethoven e Mozart, nos reservava ainda uma obra do relativamente desconhecido Erwin Schulhoff.

Foi ao Quarteto nº 22 em si bemol maior KV 589 de Mozart que couberam as honras de abertura do concerto e, o mínimo que se poderá escrever, é que logo no seu primeiro andamento se confirmaram a enorme qualidade e rigor interpretativo do quarteto alemão em palco, que, tocando com a precisão de um relógio suíço, começou desde logo a conquistar o público presente na sala.

O encanto foi-se consolidando até ao início da sua interpretação seguinte, o Concerto de Cordas nº 1 de Schulhoff, em que, após a sua fogosa e vibrante entrada, iniciariam uma fluente e irreversível sedução no seu segundo andamento, perante uma plateia completamente rendida àquela fascinante e arrojada produção, escrita em 1924 pelo compositor checo, claramente alinhado com o que à época mais avançado se concebia a nível musical. Após um revigorante intervalo, o Henschell Quartett regressaria ao palco para interpretar o notável Quarteto de Cordas nº 1 em fá maior, op. 18 nº 1 de Beethoven, fazendo-o mesmo do modo que essa peça exige, ou seja, exemplarmente, confirmando ter-se assistido naquela sala a um dos melhores concertos de sempre do festival. Um delicioso e subtil encore, interpretando a Cavatina de Beethoven, teve o condão de confirmar a excelência do concerto que presenciáramos: um tiraço no porta-aviões!, como diria o meu espirituoso avô.

José Alberto Vasco, July 11 2016

[back to press]